Páginas

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Se não fosse para Deus, já teria desistido de tudo!


Quem nunca se sentiu cansado de fazer tanto e parecer que nada adiantar? Eu não poderia apenas contar só as partes boas dessa trajetória e não compartilhar os momentos difíceis, que, na verdade, são a maior parte.
“Os obreiros mais cobrados da Igreja Universal são os obreiros da Força Jovem” – já dizia o pastor na época, e era bem verdade, não só os obreiros, mas como eu disse anteriormente, os mais cobrados são aqueles que mais são dados e se está sendo dado, é porque está sendo útil, e não tem como definir a palavra “útil” se não aquele que está disposto ao serviço de Deus, uma vez estava até aflito porque pensava que eu não estava conseguindo ajudar o pastor o suficiente, às vezes até pensava que o que eu fazia não era o suficiente, pensamentos do diabo que estava frequentemente martelando em minha cabeça, mas se estava sendo dado, é lógico que estava sendo útil.
Teve um momento nessa trajetória em que eu estava muito cansado de tudo, falar e ninguém dar ouvidos, trabalhar e os resultados serem sempre inferiores ao que esperado. Era cobrança de todo lado e eu sempre me perguntava “Meu Deus, mas por quê?”.
Quando eu falo desse momento que aconteceu comigo, na hora me vem à mente de um propósito que o pastor fez com os jovens firmes, ele separou doze jovens e deu a cada um uma lista para preencher doze nomes, e cada um tinha uma tribo para trazer domingo pela manhã de doze almas, e aquele que conseguisse trazer as doze almas, seria consagrado no altar na reunião domingo pela manhã, ele deu três semanas. Quando recebi aquela tribo, comecei a viver mesmo, evangelizando, convidando, e bem na reta final eu me lembro que já tinha mais de doze nomes confirmado, mas como naquele dia choveu bastante, vieram apenas oito, puxa vida, oito almas! Mas para a minha surpresa, quando os jovens chegaram à Igreja um obreiro arrastou mais da metade dos meus jovens para a tribo dele, na hora de ir à frente do altar, só três estavam comigo e os outros jovens estavam lá em cima do altar com o obreiro e com ele estava 18 jovens no total. Naquele momento quando ele era consagrado no altar, o diabo tentou falar “está vendo só? desiste, isso não é para você”, confesso que fiquei muito triste naquele momento, mas não importei, porque o importante é que as almas estavam ali e que só eu sabia o que eu fiz pra elas estarem ali. Naquele dia estava chovendo e tinha andado três quilômetros, só Deus sabe o quanto eu tinha trabalhado, o pior de tudo foi depois o meu líder de tribo me chamar atenção por não ter trazido almas.
Mas sabe o que eu vejo hoje tudo isso? A gente quando ora a Deus e pede algo, Ele cria uma situação para que daquele momento nós venhamos manifestar aquilo que já temos. Eu orava a Deus para que eu tivesse mais amor às almas, e o que Ele dava? Uma situação para que eu exigisse de mim mais amor, eu orava pra ser mais usado por Deus e acabava me deparando com um grupo que não fazia quase nada, eram poucos os que trabalhavam, aí eu tinha que me fazer mais útil para que Deus pudesse a me usar mais ainda, várias vezes eu dizia “Se não fosse pra Deus tudo isso, eu já teria desistido de tudo” mas como sempre eu nunca trabalhei para homens, eu sempre consegui me conservar na fé.
Foi quando uma vez algo me chamou atenção na palavra de Deus que nunca tinha prestado atenção, ela diz o seguinte:
Os jovens se cansam e se fatigam, e os moços de exaustos caem, mas os que esperam no SENHOR renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam. (Isaías 40:30-31)
Sim, o jovem é a força, mas eles também podem até cansar, contudo, os que têm sua vida nas mãos Dele, renovam suas forças, sobem como águias, sabe a intensidade disso? A águia é a ave que mais voa alto por ser a única a aguentar a pressão atmosférica, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam!
Como essas palavras me ajudaram muitas vezes, e continuam ajudando até hoje!
Continua…
Na fé.
Pr. Gustavo